FESTIVAL MINDELACT
está em 2008
FESTIVAL MINDELACT 2008

EDITORIAL

 

Estórea, estórea, fortuna do céu, amem.

 

Era uma vez uma cidade. Que apesar da tendência para ser um importante centro cultural do país, não tinha um teatro activo, pungente, diversificado, com peças a serem apresentadas ao longo do ano. A estreia de um espectáculo de teatro era notícia enquanto raridade, os grupos da cidade eram poucos e passavam meses e meses sem apresentar qualquer trabalho. O teatro não fazia, de todo, parte de uma rotina do cidadão, muito menos do roteiro cultural da urbe.

 

Era uma vez um festival, que nasceu em 1996, já lá vão 14 anos. Com 3 grupos de teatro, dois se S. Vicente e um de Santo Antão. Era um vez um conjunto de lunáticos que vagueavam pela Rua de Lisboa a suplicar que lhe comprassem bilhetes. Para quê? Para o teatro, um festival novo! Desconfiança. Narizes torcidos. Cada bilhete vendido era uma vitória. Por isso dizemos, com propriedade: cada espectador que vai hoje ao teatro - e os muitos que não conseguem ir por não conseguirem esse mesmo bilhete dantes quase oferecido - foi conquistado para o teatro pelo próprio teatro. Pelos seus actores, técnicos, divulgadores. Pelos lunáticos.”

A FRASE

 

“O Mindelact é uma das maiores referências culturais de Cabo Verde”

Manu Preto  – coreógrafo cabo-verdiano

FESTIVAL MINDELACT
galeria de imagens
Homenagem ao Raiz di Polon
Homenagem ao Raiz di Polon
press to zoom
D. Quixote
D. Quixote

Raiz di Polon (Cabo Verde)

press to zoom
Ptolomeu Viagem de Circunnavegação
Ptolomeu Viagem de Circunnavegação

Art'Imagem (Portugal)

press to zoom
Free Artist
Free Artist

Enano (Espanha)

press to zoom
Nonada
Nonada

Companhia do Feijão (Brasil)

press to zoom
Registo o Solo
Registo o Solo

Paulo Santos (Cabo Verde)

press to zoom
Marcelo sem Palavras
Marcelo sem Palavras

Marcelo N'Dong (Guiné-Equatorial)

press to zoom
Máscaras
Máscaras

GTCCPM (Cabo Verde)

press to zoom
Hotel Komarca
Hotel Komarca

Henrique Artes (Angola)

press to zoom

Fotografia do topo

Máscaras (foto Kizó Oliveira)